sexta-feira, 21 de julho de 2017

Nota aos paroquianos

A Paróquia de Sant’Ana, por meio das Comissões de Reforma do Centro de Pastoral e Festa da Excelsa Padroeira Sant’Ana 2017, vem a público comunicar o ADIAMENTO do III Arraiá das Pastorais, em razão da insistente chuva, que compromete a logística e realização do mesmo, previsto para este sábado, dia 22 de julho de 2017, às 20h30, no Pátio da Igreja Matriz de Sant’Ana. No ensejo, comunicamos que uma nova data já foi estabelecida pelas Comissões para a realização do evento: dia 12 de agosto, véspera do Dia dos Pais. Aos que reservaram mesa, como também aos grupos, movimentos e colaboradores envolvidos na organização do III Arraiá das Pastorais, reafirmamos o nosso compromisso de manter as reservas e as barracas para a nova data, contando com o apoio e participação de todos. A Paróquia de Sant’Ana coloca-se à disposição para maiores esclarecimentos, através do Tel.: (81) 3638-1274. Desde já, desculpamo-nos por qualquer transtorno causado, agradecendo a compreensão de todos!


quinta-feira, 20 de julho de 2017

Amizade, um dom de amor

A amizade é um dom do amor. Surge sem escolha e, muitas vezes, une pessoas completamente diferentes. Quem ama respeita, compreende e admira o que há de diferente e especial no outro. Amizade verdadeira não sufoca, não oprime, amizade de verdade constrói, potencializa, engrandece.


Para os filósofos gregos a amizade era sempre expressão da virtude. Pitágoras, que dirigia pessoalmente um grupo filosófico de amigos, chamava a amizade de mãe de todas as virtudes. Por isso só podem firmar uma amizade pessoas que se esforçam para ser virtuosas e nas quais está uma boa semente.

Quem só gira em torno de si é prisioneiro de si mesmo e incapaz de amizade. Platão, um dos mais importantes filósofos gregos, afirma: “Deus faz os amigos; Deus traz o amigo para o amigo.” Na amizade – diz Platão – cintila um pouco o mistério de Deus.

A amizade não pode ser fabricada, portanto, cultive a amizade daqueles que o Senhor colocou em sua vida como canal de bênção, verdadeiros amigos.

Todos nós precisamos de amor puro uns dos outros, os homens precisam receber o amor puro das mulheres, as mulheres precisam receber amor puro dos homens. Fomos criados para amar e receber amor. Precisamos do amor puro dos amigos.

Amigo não é um conhecido. Amigo é amigo. Consegue nos corrigir, dizer as coisas como elas são, as verdades que não queremos ouvir. Até ficamos chateados, nos afastamos deles, mas passam as horas, os dias e… voltamos atrás, nos entendemos, nos humilhamos e tudo muda.

Falando em mudança, amigo tem o poder de nos transformar e faz isso porque nos conhece e nos ama como somos.

Neste dia entrego cada um de meus amigos em Tuas mãos, Senhor. Se não fui ou não sou tudo aquilo que eles precisam ou esperam, completa, Senhor, restaura, cuida…

Precisamos eternizar as pessoas nos nossos corações, assim elas nunca morrerão; continuarão vivas e perto! Neste Dia do Amigo, a você, meu tesouro, que já é eterno em mim, a gratidão!

segunda-feira, 17 de julho de 2017

Convite

Caríssimos irmãos e irmãs, aproxima-se mais uma festa de Sant'Ana, mãe de Nossa Senhora e padroeira de Bom Jardim. A festa da padroeira é sempre um tempo importante para juntos refletirmos sobre a Palavra de Deus, que é fonte de vida e salvação. Esta Palavra foi vivenciada de um modo muito especial por Sant'Ana. Nós, seus devotos, devemos fazer o mesmo.


Dando ênfase ao Ano Mariano, e já no segundo ano de preparação para o Centenário Diocesano, vamos refletir sobre o seguinte tema: “Igreja: Comunidade do Ressuscitado”. Nós fazemos parte desta comunidade, por isso, devemos participar das Celebrações durante todo o novenário.

Você é nosso convidado especial. Venha participar desta festa com o coração cheio de fé e alegria no “Cristo Ressuscitado, constituído por Deus como Cabeça da Igreja”, como nos ensina São Paulo.

Venha participar desta festa com sua família, de 17 a 26 de julho de 2017, na Igreja Matriz de Sant’Ana. Sua presença nos alegra!

domingo, 16 de julho de 2017

Evangelho do 15º Domingo do Tempo Comum

Naquele dia, Jesus saiu de casa e foi sentar-se às margens do mar da Galileia. Uma grande multidão reuniu-se em volta dele. Por isso, Jesus entrou numa barca e sentou-se, enquanto a multidão ficava de pé, na praia. E disse-lhes muitas coisas em parábolas: “O semeador saiu para semear. Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e os pássaros vieram e as comeram. Outras sementes caíram em terreno pedregoso, onde não havia muita terra. As sementes logo brotaram, porque a terra não era profunda. Mas, quando o sol apareceu, as plantas ficaram queimadas e secaram, porque não tinham raiz. Outras sementes caíram no meio dos espinhos. Os espinhos cresceram e sufocaram as plantas. Outras sementes, porém, caíram em terra boa, e produziram à base de cem, de sessenta e de trinta frutos por semente. Quem tem ouvidos, ouça!”. Os discípulos aproximaram-se e disseram a Jesus: “Por que falas ao povo em parábolas?”. Jesus respondeu: “Porque a vós foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos Céus, mas a eles não é dado. Pois à pessoa que tem será dado ainda mais, e terá em abundância; mas à pessoa que não tem será tirado até o pouco que tem. É por isso que eu lhes falo em parábolas: porque olhando, eles não veem, e ouvindo, eles não escutam nem compreendem. Desse modo se cumpre neles a profecia de Isaías: ‘Havereis de ouvir, sem nada entender. Havereis de olhar, sem nada ver. Porque o coração deste povo se tornou insensível. Eles ouviram com má vontade e fecharam seus olhos, para não ver com os olhos, nem ouvir com os ouvidos, nem compreender com o coração, de modo que se convertam e eu os cure’. Felizes sois vós, porque vossos olhos veem e vossos ouvidos ouvem. Em verdade vos digo, muitos profetas e justos desejaram ver o que vedes, e não viram, desejaram ouvir o que ouvis, e não ouviram. Ouvi, portanto, a parábola do semeador: Todo aquele que ouve a palavra do Reino e não a compreende, vem o Maligno e rouba o que foi semeado em seu coração. Este é o que foi semeado à beira do caminho. A semente que caiu em terreno pedregoso é aquele que ouve a palavra e logo a recebe com alegria; mas ele não tem raiz em si mesmo, é de momento; quando chega o sofrimento ou a perseguição, por causa da palavra, ele desiste logo. A semente que caiu no meio dos espinhos é aquele que ouve a palavra, mas as preocupações do mundo e a ilusão da riqueza sufocam a palavra, e ele não dá fruto. A semente que caiu em terra boa é aquele que ouve a palavra e a compreende. Esse produz fruto. Um dá cem, outro sessenta e outro trinta”. (Mt 13,1-23)


A Palavra de Deus transforma nossa vida

A riqueza da parábola do semeador é demonstrar justamente como é o nosso coração, porque ele é o lugar onde a Palavra de Deus é semeada. O Pai enviou Jesus para semear a boa semente no nosso coração. Muitas vezes, não acolhemos a Palavra ou a acolhemos da forma com que a parábola está nos contando, de forma distraída; assim, deixamos que ela seja roubada do nosso coração ou de outra maneira, deixamos que as preocupações do mundo, as vaidades e ilusões roubem do nosso coração as riquezas da Palavra. Deixe-me dizer a você: encare de forma positiva os inimigos da Palavra, pois esta, quando cai em nosso coração, renova nossa alma e mente, coloca o Reino de Deus dentro de nós. Por que, muitas vezes, o Reino não está dentro de nós? O Reino de Deus não está dentro de nós quando não acolhemos a Palavra e não permitimos que ela produza frutos em nós. Não basta escutar a Palavra, é preciso introjetá-la, trazê-la para dentro de nós; e quando a trazemos para dentro de nós, precisamos que ela venha para fora, que ela produza frutos em nossa vida. Você pode me escutar agora e dizer: “Que bonito, padre! É isso mesmo. Que bom que você falou!”; depois guardar essa Palavra e continuar a vida do mesmo jeito. A Palavra de Deus é eficaz quando produz transformação na nossa vida, quando gera reflexão dentro de nós, quando nos dá forças para mudarmos nossos atos e nossas atitudes, quando permitimos que ela exerça domínio sobre nossa vontade, sobre nossas escolhas e decisões. Só somos transformados por Deus quando permitimos que a Sua Palavra penetre no nosso interior e nos transforme por dentro e por fora! Permita que a Palavra de Deus produza muitos frutos no seu coração, não deixe que o inimigo roube a Palavra, que ela seja sufocada, pisoteada, mas que, em nosso coração, possamos produzir muitos frutos pelo poder da Palavra de Deus.