quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Paz: fruto da reconciliação

O que é a paz ? Muitas opiniões se multiplicam, muitos pontos de vista se antagonizam; uns dizem que a paz é a ausência da guerra. Principalmente neste momento delicado, onde está urgindo mais uma guerra, a invasão do Iraque pelos Estados Unidos. Outros dizem que a paz é algo interno de cada pessoa, que cada um deve ter sua paz interior e isto basta.


Tenho hoje uma reflexão sobre a paz: a paz é fruto da reconciliação.

A palavra reconciliação é derivada direta da palavra concilio, do verbo conciliar, concordar, estar de acordo.
Então, reconciliar é conciliar de novo. Alguma opinião, alguma atitude que desgastou esta “concordância”, alguma briga, discussão entre as pessoas, entre os povos, entre o homem e Deus; precisa de novo ser conciliada, pela aceitação da posição antagônica, mesmo que com divergência em algum ponto. É um reatar as relações.

E é preciso que cada homem tenha a consciência que a paz só acontece de verdade se ele estiver plenamente reconciliado: com ele mesmo, com as pessoas que o cercam e com Deus. Isto significa: viver reconciliado.

Primeiro consigo mesmo: aceitar nossa limitação, nossa incapacidade de atingir algumas coisas, que somos de carne e osso e fracassamos, damos certo em algumas coisas e noutras somos um desastre, e precisamos de ajuda. Isto não significa acomodar-se aos nossos pecados, mas ter como meta o ser melhor, e ir progredindo a cada dia, na busca do ser melhor, não somente no estar melhor. Mas não esquecer nossa natureza fraca, frágil.

Saiba Deus te ama, e por causa disto valorize-se, ame-se, cuide-se. Você é importante neste mundo. Reconcilie-se consigo mesmo. Comece a se olhar sem acusações, embora lute para ser mais santo, ou santa.

Depois é preciso estar de bem as outras pessoas: procure ser tolerante quando as pessoas são como você imperfeitas, incoerentes: aceite-as. Elas podem estar passando pelo mesmo processo que você: necessitado de ajuda, em algumas coisas e em outras não. Você pode ser esta ajuda. Ajude. Se desculpe se magoou alguém, procure-a, faça as pazes. Isto é divino. E se alguém te magoou, perdoe, mas do fundo do coração. Tenha as mesmas atitudes de antes: acolha, dê um sorriso, trate-a como se nada houvesse acontecido. Isto é: esquecer.

Mas para isto é primordial: estar de bem com Deus. Se pecamos, se fazemos algo que feriu o coração de Deus, e a gente sabe quando faz este tipo de coisa, nós não podemos guardar esta discordância. São necessários três passos para alcançarmos a reconciliação com Deus:

- Reconhecer os seus erros, pecados, falhas. Não dissimular. Reconhecer. Não jogar a culpa nos outros, nas situações. Admitir: eu errei, mas quero me levantar.

- Arrepender-se profundamente. Ter ódio do pecado cometido. Fugir dele. Se comprometer com Deus, de jamais cair de novo, na mesma fraqueza.

- Confessar-se regularmente com um Padre. Escutei uma explicação magnífica sobre a necessidade de confessar-se com o Padre, e não direto com Deus: é que quando pecamos, este pecado atinge outras pessoas. E teríamos que confessar-se com todos aqueles que foram prejudicados pelos nossos pecados. O Sacerdote é o representante, que saiu do meio do povo, foi consagrado, para aceitar em nome das pessoas a nossa confissão, e nos absolver, nos perdoar, em nome de Deus, que é o Pai de todos. É Sacramento estabelecido pelo próprio Jesus: “tudo que ligares na terra, será ligado nos céus”.

Então, reconciliar-se com Deus, com as pessoas e consigo mesmo é FONTE DE PAZ.

As guerras acontecem porque os homens querem permanecer na divergência, no desacordo. Hoje Deus nos pede uma atitude diferente: Viver reconciliado. Viver em Paz com todos. Esta atitude é o maior grito de indignação que podemos dar, contra a guerra. A Paz de Jesus te ilumine a isto, a viver reconciliado.

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Semáforos interiores

Um dos sinais de trânsito mais conhecidos é o semáforo. Este sinalizador é de fundamental importância para a segurança dos pedestres e dos motoristas. Desobedecê-lo é colocar em risco a própria vida e também a de outras pessoas. Muitos já desobedeceram ao que o semáforo indicava e o resultado não foi bom. Ou foram vítimas de um acidente ou então receberam uma multa.


Segundo o Código Nacional de Trânsito, avançar um sinal vermelho é uma violação gravíssima às normas impostas. O motorista que comete tal falta perde sete pontos em sua carteira de habilitação. Diante de tal gravidade que pode ocorrer quando o sinal está vermelho, melhor será para o condutor do veículo obedecer.

No entanto, sabemos que nem todos os motoristas e pedestres respeitam os sinais de um semáforo. Diante da imprudência de tal atitude o resultado nem sempre é positivo. Muitos já perderam a vida e outros tantos a roubaram de seus semelhantes. Atitudes inconsequentes têm resultados trágicos.

O coração humano é um grande semáforo. Ele nos indica qual a postura que devemos ter diante das mais variadas situações da vida. Porém, é preciso reconhecer as cores que nos indicam o que devemos fazer diante das encruzilhadas de nossas opções!

Sinal vermelho do semáforo do nosso coração indica que é tempo de parar. A pressa em chegar pode nos fazer provar o amargo das emoções que ainda estão verdes. Ultrapassar o sinal vermelho é arriscado e perigoso. Podemos causar acidentes que deixarão graves sequelas no coração de quem não era culpado.

Respeitar o pedestre é sempre prioridade nas leis de trânsito. Nas leis do coração a mesma atitude é fundamental. Respeitar aqueles que cruzam as esquinas de nossa alma e caminham lado a lado conosco é atitude de um cristão consciente!

Sinal amarelo é sempre de atenção. Olhar para os dois lados da vida e ver qual deles nos oferece mais segurança! Parar e observar se a nossa pressa não poderá ser interrompida por alguém que vem em alta velocidade e ainda não aprendeu a respeitar os semáforos de nosso coração é imprescindível. Buscar a segurança necessária para que não sejamos vítimas de nossos próprios descuidos é cuidar com atenção de nosso coração.

A esperança é verde. Quando o semáforo de nossa alma nos indicar que podemos seguir em frente não hesitemos. Com segurança poderemos trilhar os mais belos caminhos e descobrir as mais lindas paisagens escondidas nas curvas de nossa alma.

Há muitos corações congestionados com sentimentos confusos. Há ainda semáforos queimados que precisam ser trocados. Um semáforo que não serve para nos indicar com segurança o nosso caminho se torna sucata. Jesus é o grande Semáforo da nossa vida. Ele nos indica qual é o melhor caminho que devemos seguir.

Nem sempre o verde da esperança estará nos indicando que podemos seguir em segurança. O vermelho do proibido, muitas vezes, vai salvar nossa vida de tristes acidentes emocionais. A atenção do amarelo vai nos garantir que precisamos parar e olhar para a vida com mais cuidado.

Para a pecadora arrependida o vermelho da hora de parar foi aceso. O jovem rico recebeu o sinal amarelo da atenção: era preciso parar e rever as escolhas que estava fazendo. Judas estava com o semáforo de seus sentimentos quebrado. Não havia prestado atenção que o sinal amarelo indicava o vermelho que iria chegar. Não olhou e foi atropelado pelos próprios erros. Maria Madalena descobriu em uma manhã de ressurreição o sinal verde de novas possibilidades.

Nos semáforos do coração encontramos a segurança necessária para caminharmos pela vida de mãos dadas com um tempo novo. Jesus nos dá sinais de trânsito livre e seguro no cotidiano dos congestionamentos de nossa alma.